Princípio ativo: cefazolina

Antibióticos – Receituário simples em duas vias

Duocef

Laboratório

Bergamo

Referência

Cefazolina

Apresentação de Duocef

250 ou 500 mg IM Duocef 1 g (IM/IV): emb. c/ 1 fr.-ampola e emb. c/ 50 fr.-ampola.

Contra-indicações de Duocef

Duocef é contra-indicado em pacientes com hipersensibilidade conhecida aos antibióticos do grupo das cefalosporinas.

Reações adversas / Efeitos colaterais de Duocef

As seguintes reações adversas foram relatadas com o uso de Duocef: Hipersensibilidade: têm ocorrido febre medicamentosa, erupções cutâneas, prurido, eosinofilia e anafilaxia. Sangue: têm ocorrido neutropenia, leucopenia, trombocitopenia e testes de Coombs diretos e indiretos positivos. Renal: aumento transitório dos níveis de uréia no sangue tem sido observados sem evidência clínica de insuficiência renal. Nefrite intersticial e outros distúrbios renais foram relatados raramente em pacientes com doenças grave, recebendo terapia com várias drogas Hepática: têm sido observadas raramente elevações transitórias dos níveis de TGO, TGP e fosfatase alcalina. Raramente foi relatado casos de hepatite e de icterícia colestática transitória. Gastrointestinal: sintomas de colite pseudomembranosa podem aparecer durante ou após o tratamento com antibióticos. Náuseas e vômitos são relatados raramente. Anorexia, diarréia e candidíase oral foram relatadas. Outras: dor no local de injeção após administração IM, algumas vezes com induração. Flebite no local da injeção, prurido anal e genital, moníliase e vaginite. Interferências em exames laboratoriais: Testes de Coombs diretos e indiretos falso-positivos foram relatados. Falso-positivo no teste de glicose na urina usando Clinitest, falso aumento de creatinina no sangue e na urina

Duocef – Posologia

Dose usual para adultos: Tipo de infecção Dose Freqüência Pneumonia pneumocócicas 500 mg Cada 12 horas Infecção leves causadas por cocos e Gram-positivos sensíveis 250 a 500 mg Cada 8 horas Infecções do trato urinário agudas e não-complicadas 1 g Cada 12 horas Infecções moderadas a graves 500 mg a 1 g Cada 6 a 8 horas Infecções graves a gravíssimas (endocardite e septicemia)* 1 a 1,5 g Cada 6 horas *Em raras situações doses de 12 g/dia foram usadas. Pacientes com função renal reduzida: Pacientes com clearence de creatinina > 55 ml/min ou uma creatinina sérica < 1,5 mg %, podem receber doses totais (250 - 1000 mg) - Pacientes com um clearence de creatinina de 35 a 54 ml/min ou creatinina sérica de 1,6 a 3,0 mg %, podem receber doses totais com intervalo de pelo menos 8 horas. - Pacientes com clearence de creatinina de 11 a 34 ml/min ou creatinina sérica 3,1 a 4,5 mg %, devem receber a metade da dose usual a cada 12 horas. - Pacientes com clearence de creatina < 10ml/min ou creatina > 4,6 mg %, devem receber a metade da dose usual a cada 18 a 24 horas. Todas as recomendações de redução de doses devem ser aplicadas após uma dose inicial de reforço apropriada à gravidade da infecção. Moderadamente dialisável (20 a 50%) Pacientes submetidos a diálise peritoneal (2 litros/hora): Os níveis séricos da cefazolina foram aproximadamente de 10 a 30 mcg/ml, após 24 horas de instilação de uma solução da diálise contendo 50 mg/l e 150 mg/l, respectivamente. A média dos níveis séricos máximos foi de 29 mcg/ml (variação de 13 a 44 mcg/ml) com 50 mg/l (3 pacientes) e 72 mcg/ml (variação de 26 a 142 mcg/ml) com 150 mg/l (6 pacientes), Dose usual para crianças: A dose diária total de 25 a 50 mg/kg de peso corporal, dividida em 3 ou 4 doses iguais, é eficaz para a maioria das infecções leves a moderadamente graves. A dose total diária pode ser aumentada para 100 mg/kg de peso corporal em infecções graves. – Em crianças com insuficiência renal leve a moderada (clearance de creatinina de 70 – 40 ml/min), 60% da dose diária normal, administrada em doses divididas a cada 12 horas deverá ser suficiente. – Em crianças com insuficiência renal grave (clearance de creatinina de 20 – 5 ml/min), 10% da dose total, administrada a cada 24 horas deverá ser adequada. Todas as recomendações para doses se aplicam após uma dose inicial de reforço. Uso Profilático: Para prevenir infecções pós-operatórias em cirurgias contaminadas ou potencialmente contaminadas, as doses recomendadas são as seguintes: a) 1 g IV ou IM, administrados 30 e 60 minutos antes do início da cirurgia. b) Para cirurgias prolongadas (por ex: 2 horas ou mais) 0,5 a 1 g IV ou IM durante a cirurgia (Administração modificada dependendo da duração da cirurgia) c) 0,5 a 1 g IV ou IM cada 6 ou 8 horas após a cirurgia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.