Princípio ativo: clindamicina

Antibióticos – Receituário simples em duas vias

Dalacin T
Princípio ativo Clindamicina. Uso externo. venda sob prescrição médica.

Indicações de Dalacin T

DALACIN T (fosfato de clindamicina) Solução tópica é indicado no tratamento de infecções cutâneas sensíveis à clindamicina, inclusive acne vulgaris. Em uma comparação com a tetraciclina administrada por via oral, DALACIN T Solução tópica reduziu as lesões por acne em 61%, contra 49% com a tetraciclina. Em estudos controlados adicionais, DALACIN T Solução tópica provocou diminuição de 58% em lesões por acne comparadas com uma redução de 33% com placebo (veículo alcoólico).

Efeitos Colaterais de Dalacin T

Relatórios de efeitos colaterais com DALACIN T (fosfato de clindamicina) têm sido infreqüentes. Irritação, ardência e eritema (provavelmente causados por veículo alcoólico) foram reportadas com freqüência. Reações gastrintestinais (diarréia, náusea, vômitos) foram relatadas por seis pacientes que foram tratados com DALACIN T Solução tópica. Nenhum deles foi considerado como relacionado com a droga, segundo o relatório médico (ver Advertências). Foram apresentados relatórios isolados de garganta irritada, dor de cabeça, náuseas, torcicolo, freqüência urinária, vaginite e dermatite de contato. Dois casos de fadiga e dois casos de pele oleosa foram relatados. DALACIN T Solução tópica foi aplicado duas vezes, durante 56 dias ou mais a voluntários, tendo sido bem tolerado.

Como Usar (Posologia)

Aplicar uma camada fina de DALACIN T (fosfato de clindamicina) sobre, a área afetada, duas vezes ao dia.

Contra-Indicações de Dalacin T

DALACIN T (fosfato de clindamicina) Solução tópica é contra-indicado em indivíduos com antecedentes de hipersensibilidade a preparados contendo clindamicina ou lincomicina, antecedente de enterite regional ou colite ulcerativa, ou de colite induzida por antibióticos.

Precauções

DALACIN T (fosfato de clindamicina) contém base de álcool, que poderá provocar queimadura e irritação nos olhos. No caso de contato acidental com superfícies sensíveis (olhos, pele desgastada, membranas mucosas), lavar com copiosa quantidade de água fria de torneira. A solução tem um gosto desagradável e deve-se tomar cuidado quando a medicação for aplicada ao redor da boca. DALACIN T Solução tópica deve ser prescrito com cuidado a indivíduos atópicos. O uso concomitante de outros preparados disponível. para acne, por exemplo, peróxido benzol, ácido retinóico, foi relatado em estudos não-controlados. Não foi estabelecida a segurança de DALACIN T Solução tópica no período de gravidez. Não se sabe se a clindamicina é excretada no leite humano após o uso de DALACIN T Solução tópica. Entretanto, a clindamicina administrada por via oral ou parenteral foi detectada no leite humano. Como regra geral, a amamentação não deve ser efetuada durante o tratamento com esta droga. Não usar sobre feridas ou queimaduras (solução de continuidade da pele).

Advertências

Diarréia, diarréia sanguinolenta, colite não-específica e colite pseudomembranosa (induzida por antibiótico) foram relatadas com muitos antibióticos usados sistemicamente, incluindo a clindamicina. Não ocorreu qualquer diarréia ou colite pseudomembranosa em trabalhos clínicos controlados com DALACIN T Solução tópica. Entretanto, é teoricamente possível que a clindamicina possa estar presente sistemicamente, através da absorção proveniente da superfície da pele. Quando aplicada topicamente, o médico deve estar alerta à possibilidade remota de diarréia severa ou colite induzidas por antibiótico. Se ocorrer diarréia significativa durante a terapia, o medicamento deve ser descontinuado. Diarréia significativa (que teoricamente pode ocorrer até várias semanas pós-terapia) deve ser tratada como se fosse induzida por antibiótico. Estudos recentes indicaram uma toxina (ou toxinas) produzidas por bactérias do gênero Clostridia (especialmente Clostridium difficile) como a principal causa direta da colite associada a antibiótico. A colite é habitualmente caracterizada por diarréia severa persistente e cólicas abdominais severas e podem ser associadas com a passagem do sangue e muco. O exame endoscópico da mucosa pode revelar colite pseudomembranosa. Os agentes anticolinérgicos e antiperistálticos podem piorar a condição. A vancomicina demonstrou ser eficaz no tratamento de colite pseudomembranosa associada a antibiótico, produzida por C. difficile. A dose habitual para adultos é de 500 mg de vancomicina, por via oral, a cada 6 horas, por um período de 7 a 10 dias. Casos leves, mostrando mudanças mucosas mínimas, podem responder à simples descontinuação da droga. Casos moderados a severos, incluindo aqueles com ulceração ou formação pseudomembranosa, devem ser controlados com líquidos, eletrólitos e suplementação protéica, conforme o indicado. As resinas colestiramina e o colestipol demonstraram, in vitro, unir a toxina. Enemas de retenção corticóides e corticóides sistêmicos podem ajudar em casos persistentes. Outras causas de colite devem ser consideradas. Devem ser tomadas informações quanto a prévia sensibilidade à droga e outros alérgenos. Há resistência cruzada entre clindamicina e lincomicina e antagonismo entre clindamicina e eritromicina.

Apresentação

Dalacin t (fosfato de clindamicina) solução tópica é apresentado em frascos individuais de 30 ml com aplicador (10 mg de clindamicina por ml).

O aplicador é apresentado de tal forma que a solução pode ser aplicada diretamente à pele afetada.

Descrição

DALACIN T Solução tópica contém fosfato de clindamicina numa concentração equivalente a 10 mg de clindamicina por mililitro, em solução de álcool e água. O fosfato de clindamicina é um éster do antibiótico semi-sintético, solúvel em água, produzido por uma substituição do 7(S)-cloro do grupo 7 ( R) -hidroxi derivado da lincomicina. A solução contém ainda: álcool isopropilíco, propilenoglicol e água.

Fórmula

Cada ml contém: Fosfato de clindamicina 10 mg + 3% (excesso); Excipiente q.s.p. 1 ml.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

Não utilize medicamentos sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

Informações Técnicas

Microbiologia: Embora o fosfato de clindamicina seja inativo in vitro, a hidrólise rápida in vivo converte este composto na clindamicina ativa antibacteriana. As fosfatases da pele hidrolisam o fosfato de clindamicina em clindamicina base. A clindamicina tem demonstrado possuir atividade in vitro contra isolados de Propionibacterium acnes. Isto pode explicar a sua utilidade em acne. Além disso, a clindamicina mostrou uma ampla gama de atividade in vitro que é descrita nas bulas da administração oral ou parenteral. Ficou demonstrado que há resistência cruzada entre clindamicina e lincomicina e antagonismo entre clindamicina e eritromicina. A atividade da clindamicina foi demonstrada em extratos das lesões em pacientes com acne. A concentração média da atividade antibiótica nos extratos mencionados foi de 1,4 mcg/ml. A clindamicina in vitro inibe todas as culturas testadas de Propionibacterium acnes (MCI 0,4 mcg/ml). Os ácidos gordurosos livres da superfície da pele foram diminuídos de aproximadamente 14% para 2%, após aplicação de clindamicina tópica. Foram negativos os resultados dos estudos realizados para detectar clindamicina ou atividade da clindamicina no sangue ou na urino após aplicação tópica deste preparado contendo fosfato de clindamicina. Entretanto, os estudos de penetração na pele humana com cloridrato de clindamicina titulada com rádio demonstraram que aproximadamente 10% da dose é absorvida conforme indicado por concentração no Stratum corneum. O ensaio microbiológico da urina de pacientes tratados com cloridrato de clindamicina para uso tópico demonstrou concentrações variadas do antibiótico. Não foi observada qualquer absorção induzida pela aplicação tópica de fosfato de clindamicina, porém é teoricamente possível que a clindamicina possa ser absorvida nesta preparado tópico.

Laboratório

Pharmacia & Upjohn Ltda.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.