Princípio ativo: sinvastatinaCordironsinvastatina

Via Oral

Formas Farmacêuticas e Apresentações:

Comprimido revestido 10mg Embalagens com 6, 30 e 60 comprimidos.

USO ADULTO Composição:

Cada comprimido revestido 10mg contém 10mg de sinvastatina e excipiente q.s.p. 1 comprimido.

Componentes não ativos: Ác. cítrico, Ác. ascórbico, celulose microcristalina, amido, lactose, hidroxibutilanisol, estearato de magnésio, hidroximetilpropilcelulose, dióxido de titânio, talco, propilenoglicol.

INFORMAÇÕES AO PACIENTE

Ação esperada do medicamento:

Cordiron® reduz os níveis elevados de colesterol total e LDL colesterol. Eleva o HDL colesterol. Reduz a progressão da arteriosclerose coronariana assim como o desenvolvimento de novas lesões e novas oclusões em pacientes com doenças coronarianas.

Cuidados de Conservação:

Em temperatura ambiente controlada (15 a 30°C). Proteger da luz.

Prazo de Validade:

02 anos a partir da data de fabricação. Não usar o produto se o prazo de validade estiver vencido, pois pode ser ineficaz e prejudicial a sua saúde.

O uso da sinvastatina é contra-indicado durante a gravidez. Se ocorrer gravidez durante o tratamento, suspenda o uso do medicamento e avise prontamente o médico.

Não se sabe se a sinvastatina é excretada no leite materno. Devido ao potencial para reações adversas graves em lactentes, as mulheres não devem amamentar seus filhos durante o tratamento.

Siga as orientações do seu médico, respeitando os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

Comunique prontamente ao médico se ocorrerem sintomas desagradáveis como diarréia, dor abdominal, constipação, flatulência e especialmente qualquer tipo de dor muscular acompanhada ou não de febre e mal-estar. Da mesma forma, informe seu médico se estiver usando qualqueroutro medicamento.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

A abstenção de bebidas alcóolicas é absolutamente necessária durante o tratamento com a sinvastatina.

NÃO TOME REMÉDIO SEM CONHECIMENTO DE SEU MÉDICO. PODE SER PERIGOSO PARA SUA SAÚDE.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

A sinvastatina é um agente redutor do colesterol derivado sinteticamente de um produto de fermentação do Aspergillus terreus. Após ingestão oral, é hidrolisada na forma de lactona inativa para o seu correspondente beta-hidroxiácido. Este é o principal metabólito e o inibidor da 3 hidroxi-e-metilglutamil-coenzima A (HMG-CoA) redutase, uma enzima que catalisa um passo precoce e limitante na biossíntese do colesterol. Em estudos em animais, após doses orais, a sinvastatina apresentou alta seletividade pelo fígado, onde atingiu concentrações substancialmente mais altas que em outros tecidos. É largamente extraída na primeira passagem pelo fígado, que é seu local primário de ação, com subsequente excreção da droga na bile. A exposição sistêmica à forma ativa da sinvastatina é de menos de 5% da dose oral; destes, 95% estão ligados às proteínas plasmáticas.

Indicações:

Redução nos níveis elevados de colesterol total e LDL-colesterol em pacientes com hipercolesterolemia primária, quando a resposta à dieta e a outras medicações não farmacológicas isoladamente tenha sido inadequada.

Redução dos níveis elevados de colesterol em pacientes com hipercolesterolemia combinada e hipertrigliceridemia, quando a hipercolesterolemia for a anormalidade mais importante.

Redução da progressão da arteriosclerose coronariana, incluindo a redução do desenvolvimento de novas lesões e de novas oclusões, em pacientes com doenças coronarianas.

Contra – Indicações:

O uso da sinvastatina é contra indicado em pacientes com doença hepática ativa ou elevações persistentes e inexplicadas das transaminases séricas. Durante a gravidez e lactação. Hipersensibilidade a qualquer componente da fórmula.

Precauções:

Recomenda-se a realização de testes da função hepática antes do início da terapia e periodicamente depois disso, em todos os pacientes . Deve-se dar especial atenção àqueles pacientes que desenvolveram níveis elevados de transaminases séricas e, nesses pacientes, as medidas devem ser repetidas prontamente e realizadas mais frequentemente. Se os níveis de transaminases mostrarem evidências de progressão, particularmente se elevarem acima de três vezes o limite superior de normalidade e de forma persistente, a droga deve ser descontinuada. A sinvastatina deve ser utilizada com cautela em pacientes que consomem quantidades substanciais de álcool e (ou) tenham antecedentes de doença hepática.

Assim como com outros hipolipemiantes, elevações moderadas (menores que três vezes o valor superior à normalidade) das transaminases foram relatadas durante a terapia com sinvastatina. Essas alterações aparecem logo após o início da terapia, foram geralmente transitórias e não acompanhadas por qualquer sintoma; a interrupção do tratamento não foi necessária.

Elevações discretas e transitórias dos níveis de CPK (do músculo esquelético) têm sido comumente observadas em pacientes recebendo a sinvastatina, mas geralmente, sem qualquer significado clínico. A terapia com inibidores da HMG-CoA redutase tem sido raramente associada a miopatia (menos de 0,1% dos casos). Este diagnóstico deve ser considerado em todo paciente com mialgias difusas, hipersensibilidade muscular e (ou) elevações importantes dos níveis de creatinina-fosfoquinase (CPK), isto é, acima de 10 vezes o limite superior da normalidade. Deve-se pedir aos pacientes que relatem prontamente dores, hipersensibilidade ou fraqueza muscular inexplicada. O usoda sinvastatina deve ser suspenso se ocorrerem níveis elevados de CPK ou se houver suspeita ou diagnóstico de miopatia.

Sabe-se que o risco de miopatia com inibidores da HMG-CoA redutase aumenta substancialmente com terapia imunossupressora concomitante, incluindo ciclosporinas, ou com uso simultâneo de um derivado fíbrico ou de doses hipolipemiantes de niacina. Houve raros relatos de rabdomiólise grave com insuficiência renal aguda secundária. Desta forma, os benefícios e os riscos da utilização concomitante de sinvastatina, com drogas imunossupressoras, com fibratos ou com doses hipolipemiantes de niacina (ácido nicotínico) devem sercuidadosamente considerados.

Os inibidores da HGM-CoA redutase e os agentes para terapia antifúngica derivados do azol inibem a síntese do colesterol em pontos diferentes. Em pacientes recebendo ciclosporina, deve-se descontinuar temporariamente a sinvastatina; pacientes que não estão recebendo ciclosporina devem ser cuidadosamente monitorizados se for necessária terapia antifúngica com derivados do azol. A terapia com a sinvastatina deve ser temporariamente suspensa ou descontinuada em qualquer paciente com uma condição aguda, grave, sugestiva de miopatia, ou com fatorde risco que predisponha a insuficiência renal à rabdomiólise.

A sinvastatina pode causar dano fetal quando administrada a mulheres grávidas. Portanto, deve ser administrada em mulheres em idade fértil apenas quando essas pacientes tiverem muito pouca probabilidade de engravidar. Se a paciente engravidar durante o uso da sinvastatina a droga deve ser descontinuada e a paciente avisada dos possíveis riscos para o feto.

Não se sabe se a sinvastatina ou seus metabólitos são excretados no leite humano, e devido ao potencial para reações graves em lactentes, as mulheres em tratamento com a droga não devem amamentarseusfilhos.

Ainda não foram comprovadas a segurança e a eficácia da sinvastatina em crianças. Portanto, não é recomendado para uso pediátrico.

A eficácia e a frequência de achados adversos clínicos ou laboratoriais em pacientes com idade superior a 65 anos, mostrou similar àquela observada na população como um todo.

Em pacientes com a forma homozigótica da hipercolesterolemia familiar, nos quais há ausência completa de receptores para LDL, é improvável que a terapia com a sinvastatina resulte em benefício clínico.

A sinvastatina tem efeito apenas moderadamente redutor dos triglicérides e não é indicada quando a hipertrigliceridemia for a anormalidade mais importante (hiperlipidemias tipo I, IV e V).

Interações Medicamentosas:

Derivados cumarínicos parecem aumentar ligeiramente o tempo de protrombina quando utilizados concomitantemente com a sinvastatina. Em pacientes tomando anticoagulantes, o tempo de protrombina deve serdeterminado antes do início da terapia com sinvastatina e depois, nos intervalos usualmente recomendados para pacientes sob terapia cumarínica.

Fibratos: tem aumentado o risco de miopatia.

Agentes imunossupressores, itraconazol e niacina: veja precauções.

Reações adversas:

Os efeitos adversos que ocorreram com frequência de 1% ou mais foram: dor abdominal, constipação e flatulência. Outros efeitos colaterais relatados em menores proporções foram astenia e cefaléia (0,5 a 0,9%), náusea, diarréia, erupção cutânea, dispepsia, alopecia, tontura, cãibra muscular, mialgia, pancreatite, neuropatia periférica, vômito, prurido e anemia. Miopatia foi relatada raramente. Uma síndrome de hipersensibilidade aparente inclui alguns dos seguintes achados: angioedema, síndrome do tipo lúpus, polimialgia reumática, vasculite, trombocitopenia, eosinofilia, aumento de VHS, artrite, artralgia, urticária, fotossensibilidade, febre, vermelhidão, dispnéia e mal-estar foram raramente relatadas. Raramente ocorreu

abdomiólise e hepatite/icterícia. Elevações persistentes e acentuadas das transaminases foram raramente raiatadas. Elevações na fosfatase alcalina e na y-giutamii transpeptidase, creatinina fosfoquinase sérica(CPK) derivadas do músculo esquelético foram relatadas. Alterações nos testes de função hepática foram geralmente leves e transitórias.

Interferência em exames laboratoriais:

Podem ocorrer elevações nos níveis de transaminases, fosfatases alcalina, y-glutamil- transpeptidase e da creatinina fosfoquinase sérica (veja reações adversas).

Posologia:

O paciente deve ser colocado em dieta redutora de colesterol antes de receber a sinvastatina e deve continuar nesta dieta durante o tratamento.

Hipercolesterolemia:

A dose inicial usual é de 20 ou 40 mg/dia em dose única à noite. Pacientes com hipercolesterolemia leve e moderada podem ser tratados com posologia inferior, a critério médico. Ajustes posológicos, se necessário, devem ser feitos a intervalos não inferiores a 4 semanas, até o máximo de 80 mg/dia em dose única à noite. Se o nível de LDL-colesterol for reduzido para menos de 75 mg/dl (1,94 mmol), ou se o colesterol total plasmático para menos de 140 mg/dl (3,6 mmol), deve-se considerara redução dadose de sinvastatina.

Insuficiência renal:

Em pacientes com insuficiência renal grave (depuração de creatinina < 30 ml/min), o médico poderá prescrever doses mais baixas.

Arteriosclerose coronariana:

20 mg em dose única à noite.

A posologia deve ser reduzida se os níveis de colesterol plasmático total atingir valores inferiores a 110 mg/dl (2,85 mmol).

Terapia concomitante:

A sinvastatina é eficaz isoladamente ou em combinação com os sequestrantes de ácidos biliares. Em pacientes recebendo terapia imunossupressora concomitantemente com sinvastatina, o médico também poderá prescrever doses mais baixas.

Superdosagem:

Tem sido relatados poucos casos de superdosagem; nenhum paciente apresentou sintomas específicos e todos se recuperaram sem sequelas. A dose máxima ingerida foi de 450 mg. Devem ser adotadas medidas comuns.

Pacientes Idosos:

Os pacientes idosos são mais sensíveis à ocorrência de efeitos colaterais. Devem, portanto, utilizar a menor posologia capaz de produzir os efeitos terapêuticos desejados, pelo menor tempo possível.

DIFFUCAP

CHEMOBRAS FARMA

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA

REG-MS N° 1.0430.0034

FARM. RESP.: Dra. Cristiane Fernandes Pascoal CRF-RJ n° 10228 DIFFUCAP – CHEMOBRAS QUfMICA E FARMACÊUTICA LTDA.

Rua Goiás N° 1232/1236 – Quintino Bocaiúva

Rio de Janeiro – RJ – CEP: 21.380-010

CNPJ.: 42.457.796/0001-56 – INDÚSTRIA BRASILEIRA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.